Divo of the week: Carlitos Vieira Dias

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Carlitos Vieira Dias nasceu no dia 17 de Novembro de 1949 em Luanda. Apareceu em palco pela primeira vez em 1966, com o grupo “Angolanos do Ritmo”, formação que integrava o seu primo, Aguinaldo Vieira Dias, que o levou depois para o conjunto “Os Gingas”, do carismático Duia, do qual recordou um espectáculo realizado nos anos 1960, no Ngola Cine.
Intérprete, guitarrista e potencialmente criativo, ao nível dos arranjos musicais, Carlitos Vieira Dias teve o privilégio de assistir, com frequência, aos ensaios do “Ngola Ritmos” e ouvia o seu pai, o emblemático Liceu Vieira Dias, nas ocasiões em que se sentava ao piano. Segundo Carlitos Vieira Dias, o seu avô paterno, José Vieira Dias, tocava concertina e piano, factor que contribuiu, por herança genealógica, para a formação da sua personalidade musical.

Herdeiro das experiências rítmicas do conjunto Ngola Ritmos e das guitarras de Liceu Vieira Dias, Nino Ndongo e José Maria, Carlitos Vieira Dias atravessou, dos anos 1960 à actualidade, os momentos mais importantes da história da Música Popular Angolana. O artista pertenceu ao conjunto os “Pérolas”, 1959-60, formação que integrava o Octávio, a Garda e a Alba Clington. Passou pelos “Gingas”, 1966, já referenciado; “Negoleiros do Ritmo”, 1967; os “Kiezos”, 1968; “África Show”, 1969, e “Merengues”, 1974. Guitarrista de grande versatilidade e notável criatividade, Carlitos Vieira Dias ajudou ainda a fundar os agrupamentos musicais Semba Tropical, 1985; Banda Maravilha, 1993, e Banda Xangola, 1996, formação que se exibia, fundamentalmente, em recintos fechados, com Nando Tambarino, trompete, Sabalo, trombone, Louro, guitarra, Juca, bateria, Manú, voz e tumbas, Eliseu, baixo, e Rufino Cipriano, nas teclas.

Decidido a cantar, em 1993, quando residia em Lisboa, Carlitos Vieira Dias guitarra e voz, gravou integrado na Banda Maravilha, o CD “Angola Maravilha”, RMS, 1997, uma importante referência discográfica da história da Música Popular Angola, com Moreira Filho, baixo e voz, Rufino Cipriano, teclas, e Mário Furtado, bateria, com as canções, “Mana”, “São Filipe”, “Palame”, “Meu amor da rua 11”, “Jinguela”, “Madia” , “Nzala”, “Xicola” e “Benguela”.
Depois decidiu enveredar por uma carreira a solo e gravou, em 2004, o primeiro CD, “As vozes de um canto”, produzido pelo brasileiro Chico Neves, com Carlitos Chiemba, baixo, Teddy Nsingui, guitarra, Mário Garnacho, teclas, Marito Furtado, bateria, Chico Santos, Dalú Roger e Joãozinho Morgado, percussão, Nanutu, saxofone alto, Rowney Scott, sax tenor, Serginho do Trombone, trombone, Joatan Nascimento, trompete, e Dorgan Eleonor, Beth Tavira, e Dodó Miranda, nas vozes.

O CD “As vozes de um canto” é, inequivocamente, uma referência discográfica, tanto na carreira musical de Carlitos Vieira Dias como na história da Música Popular Angolana.

 

SUBSCREVA HOJE

Tenha acesso às notícias dos famosos
pt_PTPortuguês
en_USEnglish pt_PTPortuguês