Entretenimento de qualidade: “Moonlight, sob a luz do luar” .

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Moonlight é um filme de drama estreado em 2016, baseado numa peça intitulada “ um Moonlight Black Look Blue de McCraney, o filme foi dirigido por Barry Jenkins e escrito por Jenkins e Tarell Alvin McCraney e contou com actualização de estrelas como: Trevante Rhodes, André Holand, Janelle Monaé, Ashton Sanders, Jharrel Jerome, Naomie Harris e Masershala e Ali.

 

A personagem principal do filme Chiron, vive três etapas nessa história, começando a contar a história da sua vivência numa comunidade pobre de Miami e explorada pelo tráfico  do crack nos anos 1980. E desde novo Chiron sofre com os colegas de escola que o chamam  de bicha ou virado. embora nem ele mesmo, aos dez anos soubesse identificar quais as sua preferência sexuais. O filme nas primeiras cenas representa principalmente a dificuldade que o personagem tem no reconhecimento da sua identidade sexual, e o aviso físico e mental que recebe ao longo desta transformação.

Quando chega na adolescência quem assume a personagem Chiron é o actor Ashton Sanders, numa performance mais exagerada, menos sutil, a introspecção aumenta na mesma proporção do bullying. Somam-se mais dez anos a essa história e vemos Chiron como “Black”, o que não muda ao longo das três fases em que o filme divide a vida do personagem, é a busca por autoconhecimento – algo universal, inerente à vida de qualquer um, independente da cor da pele ou de com quem você se deita. O filme foi filmada em 2015, em Miami, na Flórida, mais só estreou a 2 de setembro 2016 ,no festival de cinema de Telluride, filmado pela A24, o filme foi distribuído pelo mundo e arrecadou cerca de 28 milhões de dólares no ano de 2016.

 

Drama que foi indicado em cinco outras categorias venceu o prêmio da crítica especializada no globos de ouro em 2017, depois  recebeu oito indicações aos prêmios da Academia no 89.º Oscar, vencendo nas categorias de Melhor Filme, Melhor Roteiro Adaptado e Melhor Ator Coadjuvante para Ali. O filme também se tornou o primeiro filme com um elenco todo de negros, o primeiro filme de temática LGBT e o segundo filme de menor bilheteria americana (atrás de The Hurt Locker) a ganhar o prêmio de Melhor Filme. A editora do filme, Joi McMillon, tornou-se a primeira mulher negra a ser nomeada para um Oscar de edição (juntamente com o co-editor Nat Sanders) e Ali se tornou o primeiro muçulmano a ganhar um Oscar de atuação.

 

 

ASSISTA o Trailer do filme:

 

 

SUBSCREVA HOJE

Tenha acesso às notícias dos famosos
pt_PTPortuguês
en_USEnglish pt_PTPortuguês