TIMELESS: Waldemar Bastos , o nosso último adeus.

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

TIMELESS: Waldemar Bastos

Waldemar dos santos Alonso de Almeida Bastos, nome completo do artista angolano mais conhecido por Waldemar Bastos, o músico e compositor nasceu a 4 de janeiro de 1954 em M’Banza Kongo , província do Zaire, Waldemar cantava sobre a política, o músico que nas suas letras dizia que já pode morrer porque já viu Angola independente, combinava afro-pop, Fado e influência brasileiras nas suas canções.

A veia artística do cantor vem dos seus progenitores, pois Waldemar começou a cantar ainda em tenra idade usados os instrumentos musicais de seu pai. O músico que se tornou internacional, cantando sobre Angola independente e a perspectiva de ver uma Angola melhor ficou conhecido internacionalmente pelas suas canções, representando por várias vezes Angola em outros continentes, no período pós-independência Waldemar viajou pela Polónia, Cuba, Checoslováquia e união soviética, entre várias viagem e várias países Waldemar visitou Portugal, aquele que veio ser a sua segunda casa por mais de 40 anos.

No período de guerra civil em Angola e com um ambiente não tão próprio para o desenvolvimento de um músico ou de uma carreira música e principalmente pra músico como ele que nas sua letras falavam de política ou seja da realidade vivida pelos angolanos, Waldemar não teve escolha numa das suas visitas em Portugal isso em 1982, decidiu não mais voltar a Angola.

 Numa das suas entrevistas o músico disse que considera a sua música como um reflexo própria vida e sua experiências, com uma composição que elogia a identidade nacional, os seus temas fazem um apelo à fraternidade universal, não é atoa que um dos seus temas e a música oficial para as comemorações das festas da nossa Senhora do Monte, na Huíla, na cidade do Lubango. Com mais de 4 anos de carreira, o músico foi distinguido em 2018 com o diploma de membro fundador , da união dos artistas e compositores, em 1999 foi distinguido em um prêmio Aword pela world Music.

Waldemar foi tão reconhecido pelo seu trabalho, internacionalmente, que em 1999, o jornal New York Times, considerou o seu disco Black Light uma das melhores obras da época, obra lançada em 1997. Das músicas mais conhecidas do artistas destacam-se o tema velha chica, Muxima, pitanga madura e uma lista incontável de sucessos, com 7 discos de originais lançados nos mercado entre  Os anos 70 e 2012. Ontem acordamos com a notícia triste de que o astro tinha deixado o mundo dos vivos com apenas 66 anos. Waldemar morreu vítima de cancro a 10 de agosto de 2020 em Lisboa.

 


 

 

SUBSCREVA HOJE

Tenha acesso às notícias dos famosos
pt_PTPortuguês
en_USEnglish pt_PTPortuguês