Vegetarianismo, uma maneira diferente de se alimentar e viver

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp

Para começar este texto, achamos importante situar as pessoas, trazendo aquilo que possamos considerar como definição do vegetarianismo. O vegetarianismo ou vegetarismo é um tipo de alimentação baseada em produtos de origem vegetal. Na dieta até é admitido alimentar-se de ovos e laticínios, contudo os vegetarianos não podem comer nenhum animal. Naturalmente, não existe qualquer restrição quando ao consumo de frutas e legumes.

Embora seja classificado como um regime alimentar, o vegetarianismo vai muito além da dieta. Ele pode, e deve, se tornar um estilo de vida, afinal há muitos benefícios para si e para o mundo ao virar vegetariano. No entanto, é válido lembrar que qualquer mudança radical pode causar estresse.

Quando modificamos a nossa alimentação, que é o fornecimento necessário de substâncias ao organismo, precisamos ser muito cautelosos e perseverantes. Você deve entender o porquê deseja aderir de facto ao vegetarianismo. Afinal, esse estilo terá grande repercussão na sua relação emocional com a comida, não é mesmo?

A maioria de nós vive dentro de uma alimentação onívora. Isso significa que nos metabolizamos diferentes classes de alimentos. Os hábitos alimentares adquiridos desde a infância, ajudam a criar laços com certos alimentos, inclusive com aquela picanha suculenta que seu pai assa nos churrascos de domingo.

Ao tornar-se vegetariano, os benefícios são vastos:

  • Consumimos mais alimentos in natura, que trazem nutrientes essenciais para a saúde física e mental;
  • Prevenimos doenças cardíacas e diabetes por ingerir menos gorduras saturadas;
  • Combatemos a exploração animal em diversos níveis;
  • Adquirimos maior consciência ambiental diante dos desequilíbrios causados pela pecuária
  • O vegetarianismo pode ser praticado de diferentes maneiras:
    1. Ovolactovegetarianismo: inclui laticínios e ovos na alimentação;
    2. Ovovegetarianismo: utiliza somente ovos na dieta vegetariana;
    3. Lactovegetarianismo: inclui apenas leite e derivados na alimentação;
    4. Vegetarianismo estrito: restringe absolutamente o consumo de produtos de origem animal na alimentação.

    No panorama da alimentação, o vegetarianismo estrito é o mesmo que veganismo. Contudo, tornar-se vegano é bem diferente de seguir uma dieta vegetariana estrita.

     

    Vegetarianismo: como começar?

     

    1 – Consulte um nutricionista

    Um estudo da Universidade alemã de Saarland, investigou que 60% dos vegetarianos possuem deficiência em B12, vitamina encontrada principalmente em alimentos de origem animal.

    Baixos níveis de B12 estão associados a distúrbios hematológicos, neurológicos e psiquiátricos. A sua falta pode desencadear anemia, falta de memória, dificuldades de concentração, formigamentos e até trombose.

    Somente este profissional poderá adequar a sua dieta vegetariana correctamente para suprir todos os nutrientes. Não se iluda, comer por conta própria vai dificultar a adequação ao novo estilo de vida e ainda pode causar sérios danos à sua saúde;

    2 – Estude sobre os benefícios do vegetarianismo

    Desde questões éticas ao controlo de doenças, o vegetarianismo suscita paixões até por quem julga impossível parar de comer carne. Mas o facto é que esse regime alimentar proporciona numerosos benefícios.

    O meio ambiente padece pelos numerosos impactos da indústria pecuária e mais animais poderão ser poupados do sofrimento e abate. A sua saúde física também alcança patamares dignos de um campeão. Tudo isso dá força para persistir em uma dieta vegetariana;

    3 – Comece devagar

    Gradualmente vá tirando a carne vermelha e embutidos do seu cardápio, depois o frango e finalmente o peixe. Tudo é um processo lento, para familiarizar você com essa nova relação com a comida.

    Não se martirize se um deslize acontecer, mas não deixe isso te consumir de vez e atrapalhar o progresso. Se escorregar na vontade de comer carne, prefira peixes;

    4 – Não deixe de frequentar os churrascos

    Chegando o final de semana os amigos ou a família se reúne para o famoso churrasco. É claro que você não pode ficar de fora! Aposte nos legumes e frutas para substituir a carne.

    Abobrinha, cebola, tomate, batata, alho, bróculos, ananás, tudo combina com a churrasqueira. O gosto dos vegetais assados é tão incrível que eu duvido alguém não querer experimentar;

    5 – Não interrompa a sua vida social

    Do mesmo jeito que você não deve deixar de frequentar os churrascos, não deve interromper sua vida social. Sair com a família e amigos distrai a mente. Além disso, existem muito lugares específicos para uma alimentação vegetariana.

    Mesmo que você vá aos restaurantes e bares de sempre, a tão amada batata frita é praticamente omnipresente, servida em qualquer lugar.

    6 – Note mudanças nas suas funções cognitivas

    Vegetais são fontes riquíssimas de vitaminas e sais minerais, essenciais para a saúde do cérebro e neurônios. Se quer aguçar a memória, aumentar a concentração e mandar o estresse para escanteio, uma dieta vegetariana vai ajudar.

    Castanhas e abacate, por exemplo, são grandes aliados nutricionais no combate da depressão. Além disso, a maioria dos alimentos que turbinam o cérebro são vegetais. 

    Não há dúvidas que uma dieta vegetariana vai mudar completamente suas funções cognitivas e aumentar sua produtividade. Duvida? Experimente comer mais vegetais, então.

    7 – Que tal ousar nas receitas?

    Se você é um cozinheiro de mão cheia, aproveite essa habilidade a seu favor. O conhecimento ampliado da culinária vegetariana permite inovar nos ingrediente e receitas. Os seus pratos ficarão deliciosos.

     

    Fonte: Mindvalley Blog

SUBSCREVA HOJE

Tenha acesso às notícias dos famosos
pt_PTPortuguês
en_USEnglish pt_PTPortuguês